domingo, fevereiro 07, 2010

Salvemos o audiovisual

Agredir um jornalista estimula o aparecimento de notícias, logo estimula o jornalismo; sentar bufos em mesas de restaurante nos hotéis, estimula o jornalismo porque gera mais notícias; publicar escutas estimula tudo e ainda mais, mas não estimula a indústria audiovisual (a minha pobre indústria... onde eu trabalho). E porquê?

É sempre o som, o áudio! Seremos um país de invisuais? Vivemos às apalpadelas? Onde está a imagem, a luz, a cor, a forma, o relevo, que nos dá a relação biomórfica das coisas? Queremos ver. Queremos imagem no túnel, no balneário, na sala de embarque, no restaurante. Onde quer que o país palpite, há que montar um estaminé. Ver para crer! Noticias às apalpadelas, não! Salvem o audiovisual português.

Contribuo com a reconstituição do almoço do Tivoli.