sábado, maio 19, 2012

Assim vai o mundo!





Abril de 2012. Num destes dias a Ucrânia acordou assustada.
Alguém tornou pública a declaração de rendimentos do presidente Yanukovich, apresentada recentemente às finanças.
No item oitavo do equivalente a uma declaração de IRS, o cidadão Viktor Yanukovich, presidente da república da Ucrânia, declara ter recebido mais de 16 milhões de grívnias, a moeda local, o equivalente a 1,6 milhões de euros, em direitos de autor.
Mais de milhão e meio de euros em royalties por textos publicados. Textos que são a compilação dos seus discursos públicos, coligidos pelos assessores.
O montante daria para pagar várias vezes os direitos autorais de todos os artistas, escritores, poetas, dramaturgos e outros, da Ucrânia, durante vários anos. E ainda sobraria o suficiente para oferecer uma edição legal do Harry Potter a cada um dos 50 milhões de ucranianos.

Num ambiente de democracia musculada algumas vozes têm vindo a público denunciar envergonhadamente que a cobrança pode ter sido “um bocadinho exagerada”. O presidente da Associação Ucraniana de Editores, Oleksandr Afonin, declarou que “para o mercado nacional tal remuneração não tem precedentes”. Mas logo a seguir vem Volodymyr Symynozhenko, o presidente da Agência do Estado para Ciências, Inovação e Informação dizer que não, este valor em nada o surpreende. “...escrever memórias e obter dinheiro com elas é prática internacional. Vejam o que fez De Gaulle, Reagan, Thatcher e Clinton. Então, o nosso presidente é pior que os de além-mar?”

Convém explicar que o sucesso autoral foi garantido pela “Novo Mundo”, uma editora de Donetsk, a cidade natal do presidente Yanukovich.

A “Novo Mundo” conseguiu a façanha de arrecadar o exclusivo editorial dos discursos públicos do presidente pronunciados até 2010. Mas mais ainda, no pacote de milhão e meio de euros a “Novo Mundo” garantiu também a exclusividade de direitos da escrita futura do presidente.

Garantidos na colecção da “Novo Mundo” já estão os seguintes títulos:
     - Um ano na oposição
     - Um ano no poder – da crise ao crescimento económico
     - Superar o caminho
     - Continuar a viver na Ucrânia

A encomendar, logo que haja tradução numa língua tragável.


O golpe de agilidade contratual da “Novo Mundo” irá relança-la no bom caminho do negócio editorial. É que há quase um ano a editora tinha investido uma quantia elevadíssima numa edição extravagante, em língua inglesa, impressa na Áustria, da obra "Opportunity Ukraine”, do mesmo autor, Viktor Yanukovich. Apesar da tiragem muito elevada, destinada ao mercado internacional, a edição teve que ser retirada porque veio a perceber-se que muitas passagens do texto do presidente não eram originais, mas sim plagiadas de outros autores.


16,449 milhões de grívnias é muito dinheiro. Um autor ucraniano recebe actualmente entre 25 a 50 cêntimos do euro, em média, por cada livro publicado.


Na simpática cidade de Donetsk, nas margens do rio Kalmius, no sudeste do país, tal maquia daria para encher o carrinho do supermercado durante muitos anos... e ainda sobraria dinheiro para comprar também a cadeia de supermercados, mais os autarcas, mais a polícia e as autoridades fiscais que tudo regulamentam.

Mas, depreende-se, Viktor Yanukovich não terá tido necessidade de recorrer ao seu pé de meia de propriedade intelectual para pagar tais serviços. Poderá ter encontrado forma de resolver a questão no âmbito das suas actividades não autorais.


(Fonte: http://noticiasdaucrania.blogspot.pt
imagens: wikipédia)

Sem comentários: