terça-feira, novembro 06, 2012

Lojas FNAC






Lembro-me de as lojas FNAC serem uma bebedeira de livros.

“Bebedeira”, ainda que usado como adjectivo, pode soar deselegante... por isso a marca FNAC repensou o negócio. Foi evoluindo, digamos, “refundando” o conceito.

Agora, as FNAC viraram qualquer coisa como “lojas de porcelana do sec. XXI”. Nomeie-se um autor, preferencialmente um autor pouco literato mas famoso, idealmente um não autor mas famosíssimo, e veremos que ele lá está, na FNAC, na versão para iPad, Android, DVD, Blu-ray, capa para iPhone, plasticina, autocolante e boneco de silicone articulado.
Mas se o quiserem mesmo em livro, vão ter que esperar que um funcionário gótico, de piercings faciais e blusão porta-crachás, vos atenda, e após sessão autista de consulta ao sistema informático, vos diga que a prateleira dos livros é lá bem ao fundo, logo a seguir à secção das Moleskine.

1 comentário:

Stargazer disse...

Amazon. Falta o cheiro e o tacto, que para mim fazem a magia do livro, mas há tudo, porque nada frustra mais quem gosta de ler, do que, ao dizer ao funcionário um o ISBN a custo memorizado, este responder:

- "Lamento, mas o sistema não reconhece! Tem a certeza de que não se enganou?"...