segunda-feira, maio 11, 2009

i - um jornal porreiro, pá!


Bastaram três dias para ver o filme.
O filme, neste caso, é um jornal, o i.
Três dias, três edições, muitas páginas, uma revista.
Notícias, zero; cachas, zero; interesse, gozo e sumo informativo, muito reduzidos.
A revista (que me perdoe o Pedro Rolo Duarte) é uma brincadeira sem interesse. Tudo mau. Só me merece um comentário: nenhuma árvore merecia morrer por causa tão pouco nobre.
Mas será mesmo um jornal desprovido de novidade?
Bem, tem uma... e nem sequer é a paginação o grafismo ou o online: é um novo estilo, new age, de fazer jornalismo (chamemos-lhe assim, por benevolência).
A manchete do segundo dia de vida diz tudo - Governo Obriga Caixa a Salvar outro Banco”.
O percurso do i é previsível: dou-lhe um ano de vida.
Com legislativas e autárquicas agendadas para o Outono, a vida do i vai ser mais ou menos assim.
Em Janeiro de 2010 estará a reestruturar o conceito editorial, o visual e a equipa redactorial.
Em Setembro do ano que vem, fecha portas.

Será prematuro e injusto fazer tão duro julgamento a um jornal com três dias de vida?
Talvez seja.
Vamos então aguardar mais uns tempos.
Enquanto esperamos, sugiro um passatempo.
Imprima e recorte cada um dos nomes abaixo e experimente montar um puzzle.
Complicado? As peças não ligam nem fazem sentido?
Nos próximos dias apresentarei aqui a solução, as instruções de construção, e as peças em falta, para completar o interessante e lúdico puzzle i.
Tome nota.

Grupo Lena
Partido Socialista
Hugo Chavéz
Família Barroca Rodrigues
Manuel Maria Carrilho
Movie light
Pedro Falé, empresário audiovisual
Pedro Falé, reporter de imagem da SIC
Luis Bernardo, assessor do PM
Televisão full HD
Jornalismo
João Pereira Coutinho
Pedro Silva Pereira
Martim Avillez Figueiredo
Sojormedia
Venezuela


O Conselho Editorial do i integra dois nomes de jornalistas respeitáveis, meus amigos profissionais, a quem sugiro vigilância e bom trabalho... mas não está fácil.

2 comentários:

Anónimo disse...

Se considerar uma folha A4 cortada em duas partes um puzzle, então estamos de acordo. Nem sequer chega a ser um quebra-cabeças de tão obvio que é! Infelizmente, conheço bem um dos nomes repetidamente referenciado, é mais fácil de comprar que trouxas na Malveira.E depois os outros é que são travestis...

Anónimo disse...

Eu estou farto de dar voltas e não consigo montar o puzzle..há peças que não encaixam se bem que consiga ver o boneco todo... isso das instruções vai sair ou é um daqueles posts para lançar a confusão e mais nada?
:-)